Leucemia: O que é, Causas, Sintomas e Tratamento!

A leucemia é um nome genérico para um grupo de cânceres que se originam na medula óssea e causam uma produção anormal de células sanguíneas. A cura pode ser alcançada em alguns casos, mas as opções de tratamento e os resultados dependem de uma série de fatores, incluindo o tipo de leucemia, a extensão da doença e a idade e a saúde do paciente.

Leucemia

O que é leucemia:

A medula óssea é um material macio e esponjoso em nossos ossos que, em pessoas saudáveis, produz um suprimento constante de novas células sanguíneas (incluindo glóbulos vermelhos que transportam oxigênio ao redor do corpo, glóbulos brancos que ajudam a combater infecções e plaquetas que têm um papel na coagulação do sangue).

Em pessoas com leucemia, a medula óssea produz um grande número de glóbulos brancos anormais que crescem e se multiplicam “fora de controle”. Essas células anormais podem não funcionar adequadamente e afetar a capacidade das células normais do sangue de desempenhar suas funções habituais.

Existem muitos tipos de leucemia, alguns dos quais são mais comuns em crianças, enquanto outros são mais comuns em adultos. Os diferentes tipos de leucemia são classificados de acordo com a rapidez com que a doença se desenvolve e se agrava – seja crônica (piora lentamente) ou aguda (piora rapidamente) – bem como pelo tipo de célula branca afetada – células linfoides (linfocíticas) ou células mielóides (mielocíticas).

Os quatro tipos mais comuns de leucemia são:

  • Leucemia linfocítica crônica (LLC): ocorre principalmente em adultos e quase nunca em crianças.
  • Leucemia mielóide crônica (LMC): ocorre principalmente em adultos.
  • Leucemia linfoblástica aguda (LLA): ocorre mais comumente em crianças, mas também afeta adultos.
  • Leucemia mielóide aguda (LMA): ocorre em adultos e crianças.

Sintomas de leucemia:

Os sintomas de leucemia são geralmente vagos e não específicos e podem passar despercebidos no início da doença porque se assemelham a sintomas da gripe e outras doenças comuns. Além disso, algumas formas de leucemia crônica não produzem sintomas inicialmente e podem passar despercebidas e, portanto, sem tratamento por muitos anos. Dependendo do tipo de leucemia, os sintomas podem incluir:

  • Febre ou calafrios
  • Fadiga e fraqueza
  • Infecções frequentes, que podem ser graves
  • Perda de peso sem motivo aparente
  • Linfonodos inchados e fígado ou baço aumentados
  • Dor nos ossos e articulações
  • Sudorese excessiva, especialmente à noite
  • Sangramento e contusões facilmente
  • Pequenas manchas vermelhas na pele.

Um diagnóstico de leucemia é baseado em uma histórico médico completo, exame físico e exames de sangue e medula óssea. Exames de sangue são feitos para determinar se as contagens de glóbulos brancos são anormalmente altas, o que é sugestivo de leucemia. Testes de medula óssea são feitos para ajudar a determinar as opções de tratamento. Envolve a remoção de uma amostra de medula óssea, geralmente do osso ilíaco, e o estudo microscópico da amostra no laboratório para procurar células de leucemia.

Tratamento de leucemia:

O tratamento de leucemia depende do tipo de leucemia, da extensão da doença, do tratamento prévio e da idade e saúde do paciente. O objetivo do tratamento é destruir a célula leucêmica e fazer com que os sintomas desapareçam. Os tipos de tratamento usados ​​para leucemia incluem:

  • Quimioterapia: a principal forma de tratamento da leucemia. Envolve o uso de medicamentos que matam as células de leucemia. Dependendo do tipo de leucemia, um único medicamento ou uma combinação de medicamento pode ser usado.
  • Terapia biológica: isso inclui o uso de medicamentos chamados anticorpos monoclonais, como o rituximabe, que se ligam à superfície de alguns tipos de células de leucemia, ajudando o sistema imunológico a reconhecer e matar as células de leucemia.
  • Terapia direcionada: usa medicamentos que visam vulnerabilidades específicas dentro das células de leucemia para inibir seu crescimento. Por exemplo, o medicamento imatinib bloqueia a ação de uma enzima específica que é necessária para o crescimento de células de leucemia em pessoas com leucemia mielóide crônica.
  • Radioterapia: usa raios-x ou outros feixes de alta energia para danificar as células de leucemia e interromper seu crescimento. A radioterapia pode ser usada para preparar um transplante de células-tronco.
  • Transplante de células-tronco: procedimento no qual a medula óssea doente é substituída por medula óssea saudável. Antes de um transplante de células-tronco, altas doses de quimioterapia ou radioterapia são dadas para destruir a medula óssea doente. Os transplantes podem ser células-tronco do próprio paciente (transplante autólogo) ou células-tronco de outra pessoa (transplante alogênico).

Muitas pessoas com leucemia aguda podem ser curadas com tratamento imediato. Alcançar a cura na leucemia crônica é mais difícil. A leucemia crônica sem sintomas pode não necessitar de tratamento imediato – uma abordagem de espera atenta pode ser tomada e o tratamento iniciado assim que os sintomas começam a aparecer.

Quando o tratamento para leucemia crônica é dado, seu objetivo pode ser controlar a doença e os sintomas. A leucemia crônica geralmente não é curada com quimioterapia, mas o transplante de células-tronco pode alcançar a cura em algumas pessoas. O resultado (prognóstico) depende de vários fatores. Estes incluem a idade do paciente, o tipo de leucemia, o grau de disseminação da leucemia e quando o tratamento é iniciado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*